Extras


Transa no Elevador

Escrito por Ayesk@

Eu adoro água. Adoro chuva.

Mas naquela noite, ao sair mais tarde do trabalho depois de um turno extenuante de 10 horas, duas horas a mais que o normal e ainda de salto e uma saia justa no corpo...sinceramente não estava adorando aquela chuva fria e torrencial que caia sem dó.

Não via a hora de chegar em casa, tomar um banho quente, colocar uma roupa confortável e tomar um chocolate quente.

Ah Deus, seria pedir muito?

Após ter perdido o ônibus por uma diferença de dois minutos e ter que esperar debaixo da chuva, naquele ponto descoberto até que chegasse outro?

Meu estômago roncou de fome quando pisei em outra poça da água. Um relâmpago iluminou o céu ao meu redor.

O prédio em que minha amiga Luciana morava estava bem mais perto, e após falar com ela no celular fui para lá, já que teria que esperar muito pelo próximo ônibus.

Abri a porta do edifício e entrei na portaria sem testemunhas.

Enquanto aguardava o elevador, vi minha imagem toda molhada da cabeça aos pés num espelho. Minha blusa totalmente transparente. Eu estava completamente ensopada, congelada, parecendo um pintinho molhado. Que dia!

Finalmente o elevador chegou.

As portas abriram-se , estava vazio. Entrei e apertei no número do andar em que minha amiga morava juntamente com seus filhos adolescentes.

─ Ei. espere!

Tirei o braço para evitar que se fechassem as portas e tentei apertar o botão  com o dedo ao mesmo tempo. Nisso, minha bolsa caiu e abaixei-me para pega-la.

─ Obrigado, moça.

Um arrepio percorreu minha espinha ao ouvir uma bonita voz masculina.

─ De nada. - respirei fundo e fiquei quieta enquanto me erguia.

De repente, as luzes se apagaram e o elevador ficou às escuras.

Cambaleei contra o corpo do desconhecido, enquanto o elevador parava com um chiado.

─ Voce está bem, moça? – a voz profunda do desconhecido sussurrada no meu ouvido me fez arrepiar e senti minha xoxota umedecer-se e piscar de tesão. – Deve ter acabado a energia. Está chovendo muito.

Um tremor acompanhado por um chiado e luzes de emergência se acenderam dentro do cubículo fechado daquele elevador.

─ Viu? Nenhum problema.

Ele separou-se do meu corpo e percebi que tentava não olhar para mim.

Senti meu rosto afoguear-se, sabia o que ele via. Uma blusa transparente e um soutien rendado, meia-taça com os bicos túrgidos contra o tecido molhado.

As luzes piscaram e finalmente, apagaram-se por completo quando o elevador voltou a parar abruptamente.

─Oh não!! De novo não!!- gritei, enquanto o desconhecido ao meu lado soltava um palavrão.

─ Calma moça...não entre em pânico. – percebeu que seus dentes batiam levemente.

─Está com frio, moça?

─Estou bem. Só um pouco molhada. Hoje não foi meu dia, esqueci o guarda-chuva, trabalhei até mais tarde, perdi o ônibus e peguei toda a chuva.

Inalei a essência do cheiro másculo que desprendia do corpo do desconhecido.

Meu corpo tremia com a proximidade dele e de minhas roupas molhadas.

─ Parece que ficaremos presos aqui até que volte a energia elétrica.

─ Ótima notícia, moço...

─ Santo Deus, moça você está gelada!─ ele agarrou minhas mãos e começou as esfregar energicamente.

─ Eu.. E.. Estou bem

─ Não, não o está. Tome isto.

Escutei um barulho e senti o peso de uma jaqueta em minhas mãos.

─ Se tirar as roupas úmidas e colocar isto, deve se esquentar rapidamente.

“ Ah...ele queria que eu tirasse as roupas e vestisse sua jaqueta? Tirasse na sua frente, um desconhecido? “

─ Obrigada é muito gentil, mas não há necessidade disso.─ tentei devolver-lhe a jaqueta enquanto mais calafrios percorriam meu corpo.

─ Moça, juro, não estou pedindo que tire a roupa com nenhuma segunda intenção. Se sentirá melhor sem essas roupas molhadas e mais quentinha.

─ E moça, juro que não olharei. ─ disse em tom de deboche.

Suspirei, estava sendo ridícula. O que ele iria ver? Estava tão escuro. E eu estava gelada até os ossos e ia pegar um belo resfriado

─ Certo moço, tem razão. - respondi enquanto desabotoava a blusa.

Ele podia não me ver tirar a roupa, mas ele sabia que eu estava me despindo e senti uma excitação e um formigamento entre minhas pernas.

Tirei quase tudo, ficando apenas com o soutien de renda e a calcinha.

Meus dedos roçaram nos dele ao pegar a jaqueta novamente.

Senti arrepios percorrer meu corpo sem saber se eram de frio ou de tesão.

Senti minha xoxota inchar e algo escorrer entre minhas pernas.

A jaqueta ainda tinha o calor do corpo do desconhecido e seu cheiro.

Senti um calor envolver-me toda.

─ Melhor, moça?

─Hummm, muito melhor. Obrigada─ me aconcheguei mais profundamente dentro da jaqueta.

- Tem frio, moço? Posso compartilhar sua jaqueta com você.

Antes que ele pudesse dizer não, eu abri a jaqueta e me aproximei dele, aconchegando-o dentro dela.

Levei um susto quando ele gemeu e senti sua boca na minha.

Senti-o deslizar sua língua dentro da minha. Percorri seu peito através da camisa com as minhas mãos e o senti estremecer.


Ele gemeu novamente e escutei um barulho de botões, um tecido se rasgando, até que senti o calor da sua pele.

- Ohhhh...Meu Deus... – ofeguei contra os lábios quentes daquele desconhecido, cravei-lhe as unhas e lambi seu peito de cima para baixo.

Ele desabotoou meu soutien e meus seios ficaram livres sobre suas mãos.

Senti suas mãos quentes em meus seios e senti a necessidade de sua boca, língua nos bicos duros. A excitação ensopou minhas coxas através da minha calcinha e me esfreguei contra sua dura ereção.

“ Ohhh... Deus, nunca havia me sentido tão excitada daquela forma!"

Seus lábios, suas mãos eram como uma droga. Ele beliscou meus mamilos, enquanto com a palma das mãos acariciava as curvas dos meus seios.

Um desejo selvagem de empurrá-lo contra a parede e subir sobre ele e lhe agarrar me invadiu.

Sentia um fogo percorrer minha veias.

Senti sua mão descer mais para baixo para provocar-me através da roupa.

A frustração tomou conta de mim, não queria que nada ficasse entre nós, entre nossas peles.

Com dedos trêmulos, desabotoei a fivela do seu cinto e abri-lhe a braguilha.

Em minhas mãos senti seu pau ereto, quente, macio, as veias dilatadas.

Ahhh... como desejava vê-lo, mas a escuridão no elevador era total.

Só podia toca-lo, e assim o fiz. Meus dedos o percorreu, sentindo-o.

Fui inclinando os joelhos para abaixar-me sobre ele e começar a chupá-lo, mas ele me impediu. Puxou-me para cima.

Senti seu corpo roçar-me o estômago, as coxas e sua respiração sobre meus empapados lábios vaginais cobertos pela calcinha.

Engoli seco quando senti seus dedos percorrerem lentamente minha racha e o clitóris marcados pelo tecido.

─ Essa calcinha por acaso é sua favorita?─ Perguntou-me com a voz rouca.

─ Nesse instante...não...

─ Ótimo...

Senti um puxão brusco e logo em seguida o ruído de algo se rasgando. Era a minha calcinha.

Minha xoxota inchou, contraiu-se e meu coração disparou.

Ele esfregou seus dedos na minha racha molhada, antes de deslizar um dedo dentro dela.

O toque de seus dedos amoleceu minhas pernas.

─ Ahhh... rápido!─ gemi.

─ Calma...nem comecei...─ disse baixinho e logo senti-o sugar meu inchado clitóris.com sua boca.

Não consegui me conter e dei um grito, meus quadris rebolaram contra ele, enquanto meu corpo explodia em fogos de artifícios.

Lambeu-me como um gato lambendo um pires de creme.

Após lamber-me mais uma vez o clitóris, o chupou levemente e foi subindo, lambendo-me os seios, até ficar novamente de pé a minha frente.

─ Por acaso tem preservativos na sua bolsa?

─ Por incrível que pareça sim...─mexi em minha bolsa, ate que encontrei o que procurava. ─ Tenho uns aqui. Uma amiga minha foi buscar remédios no Posto de Saúde e as enfermeiras lhe deram um monte...

Abri o pacotinho e minhas mãos procuraram seu sexo.

Ele grunhiu baixinho quando o provoquei com minhas mãos enquanto lhe colocava o preservativo..

Acariciei suas bolas delicadamente.

Com um grunhido mais alto, ele me ergueu para cima contra seu corpo, se apoiou contra a parede e deslizou as mãos para baixo até chegar em meu traseiro.
Ao levantar-me, senti seu pau na entrada da minha xoxota, enquanto eu lhe prendia a cintura com as minhas pernas. Agarrei-me em seus ombros com as mãos e meus mamilos roçaram seu peito.

Com um gemido e uma estocada, o desconhecido afundou-se profundamente na minha úmida e estreita fenda.

- Ahhh...aaa...aaa...aaa...aaa...

Eu o apertei com minhas paredes internas e molhadas.

- Sss..sss.. como você é apertada e quente!

Respondi gemendo enquanto minhas pernas apertavam ao redor da sua cintura e eu me balançava contra seu corpo.

─ Agarre-me com força─ mandou enquanto me apertava o traseiro com suas mãos e me fazia subir e descer em seu cacete, enquanto estocava rápido e fundo.

Eu me segurava nele e esfregava meus seios em seu peito.

─ Ai... aaaa...aaa...aaa..aaa... Deus ...vou gozar de novo!

O desconhecido deu um grito e beijou-me firmemente os lábios com a boca e língua em um beijo selvagem e investiu os quadris com mais força.

Eu sentia suas estocadas profundas me preenchendo toda.

Com um grito selvagem, cravei as unhas em suas costas, enquanto meu corpo estremecia e eu gozava em seu pau.

O apertei e ordenhei, enquanto meu orgasmo vinha em ondas.

O senti retesar-se e gozar.

Nos rendemos, aplacados pelo gozo intenso e arrebatador.
As luzes de repente se acenderam dentro do elevador que começou a subir, nos olhamos e com um sorriso maroto ele me disse:

- Oi, minha branquinha...


Ayesk@

# Direitos autorais reservados.Proíbida sua reprodução,exceto com autorização do Autor. Lei:5988 de 1973#

12 comentários:

  1. Não imaginas o tesão que a tua escrita me dá...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lynce, querido...
      Não imaginas como a ruivinha fica feliz em ler isso!!!

      bjs doces,

      Excluir
  2. Filhot@!!

    Mamys precisando de um banho frio! huahuahuahua

    Adorei T puro!

    Bjk@s

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ufaaa!!! Achei que Mamys ia puxar minha orelha...kkk

      Que bom...nesse calor a melhor coisa é um banho frio mesmo, Mamys rsrs

      bjs doces carinhosos

      Excluir
  3. Huuuuláláaaa...texto maravilhoso

    Amei!!!! Só de lê, já fiquei molhadinha.. Ufa!!!.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rsrs Só de ler né??? kkk

      Bjs doces, miguxinh@

      Excluir
  4. Tesão é pouco que eu senti aqui!Delicioso isso...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oiee Deisinha , que bom que gostou lindinha!!!

      bjs doces,

      Excluir
  5. Buen dia

    Contacto con Ud. para proponerle un intercambio de enlaces mediante el cual vernos mutuamente beneficiados.

    Cuento con la web Escorts Madrid y me gustaria que agregue mi link, a cambio de ello agregaria su link a mi directorio y a mi blog de adultos en blogspot, si esta de acuerdo hágamelo saber

    Gracias por la atención.
    lucy.caceres2011@gmail.com

    ResponderExcluir
  6. Essa manusk@...
    sempre trazendo pra casa essas aventuras MQTDB...
    kkkkkkkkkkkkkkk..
    .sou suspeitissimo à falar sobre esse continho,
    sabe que amo D+ essas coisas inusitadas,
    Beijos,lindinha...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai Manusko, já te disse, sou uma anjinh@@@ rsrs
      Aguarde o que aprontei com o Papai Noel rsrs

      Bjs doces e Manusko? Te amodoooooroooo !!!

      Excluir

As moradoras da Casa de Anita, deliram de prazer com o seu comentário...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...