Extras


A Aprendiz: As Velas


Leia antes:
capítulo 1 -  A Iniciação

por Lena Lopez 

Capítulo 2

Desde nosso último encontro, Rebeca desaparecera. Acreditei que depois de tudo o que aconteceu, ela se arrependera e resolveu se afastar. 
Num inicio de noite de uma sexta-feira, ela me ligou convidando-me para jantarmos, pediu-me também para fosse sozinha, dessa vez, a presença de Joana não seria necessária, pois sentia-se segura e estava disposta a ir além, havia pensado muito sobre tudo e decidiu que queria, sem hesitações e medos.
Mais tarde no seu apartamento jantamos, depois sentamos em um dos sofas na sala de estar e conversamos longamente. Ela me falou sobre o que sentiu da experiência anterior e que cada vez que lembrava, excitava-se. Disse-me ela, que jamais imaginaria, que pudesse sentir-se envolvida, a ponto de ver nisso uma necessidade para o seu corpo e que a experiencia foi tão marcante e profunda para ela, que transformou-se em parte de sua alma.
Enquanto a conversa fluia, o clima entre nós tornava-se mais íntimo. Eu e ela sabíamos por que estávamos ali, mas ela deixava transparecer que desejava algo forte e intenso.
Ela levantou-se, foi até a chave de luz, diminuiu a intensidade, deixando apenas uma ínfima penumbra iluminando a sala, com a ajuda das labaredas do fogo na lareira. Caminhou por trás do sofá, até as enormes janelas do apartamento e fechou as cortinas, deu mais alguns passos e fez o mesmo com a porta larga da sacada, para evitar olhares curiosos. Atravessou a sala, abriu uma gaveta e pegou um isqueiro de prata, com ele acendeu quatro velas perfumadas, que estavam sobre o balcão da lareira, foi até a parede inversa e sobre dois pedestais, acendeu outras duas, dando ao ambiente um levíssimo cheiro de lavanda.
Lentamente voltou ao centro da sala e livrou a mesa de centro do caminho rendado e do vasinho com três rosas vermelhas, deixando-a nua no seu mogno envernizado e escuro. 
Circulou a mesa e parou a minha frente e com segurando as alças do vestido de seda, deixou ele cair lentamente ao seus pés, revelando o seu corpo, semi-coberto com uma calcinha e meias 3/4 pretas, sobre o sapatos de saltos, deixando-me ver seus seios e mamilos com auréolas rosadas. Levantou um dos pés, deu um passo para ou lado e deixou o vestido à ermo no chão e finalmente falou:
- Estou pronta... Sou sua Senhora! As velas sobre a lareira, são as que me pediu, as outras são comuns e perfumadas!
Levantei-me, beijei sua boca e virei-me de costa para ela:
- Ajude-me com o casaco!
Despi o casaco, ela segurou e com delicadeza colocou-o em um cabide no canto da sala. Voltou para perto de mim, olhando para o chão.  Enquanto ela voltava, eu despia minha roupa, fiquei totalmente nua a sua frente.
- Sente-se! - Ordenei-lhe apontando a mesa.
Ela sentou-se, segurei o seu queixo e levantei-lhe a cabeça, beijei-a na boca, depois segurando a sua cabeça, ergui-me e deixei o seu rosto passar entre os meus seios. De pé, juntei-a ao meu corpo, ela abraçou-me pelos quadris e beijou o meu ventre. Acariciei seus cabelos e deixei-a ficar assim por alguns instantes, para sentir-se segura. Após alguns minutos, pedi para que se despisse totalmente.
Fui até minha bolsa e retirei de dentro tudo o que trouxera e coloquei alinhados sobre os sofá. 
Voltei até ela, virei-a de costas para mim e vendei os seus olhos. Deitei-a na mesa e sentei-me ao seu lado. Arqueando o corpo, beijei sua boca e a invadi com a língua  arrancando-lhe um beijo ardente. Desci pelo pescoço, depois pelos ombros e seios, beijei-os, lambi e suguei. Parei por alguns segundos e deixei no ar um clima de mistério. Ela sem poder ver, tentava ouvir o que acontecia. Mas eu, nada fazia e apenas corria meus olhos no seu corpo, admirando a sua beleza e a cor da pele.
Levei o meu dedo a sua boca, acariciei os seus lábios e fiz a pontinha entrar no meio deles. Ela chupou-o e lambeu, repeti o mesmo com um dos outros dedos. Corri a unha pelo seu queixo, fui em direção ao pescoço e do pescoço ao peito, passando entre os seios, deixando um rastro vermelho, descendo pela barriga e indo em direção as virilhas, até encontrar sua coxa e segurar suas carnes interiores, cravando as minhas unhas com força. Ela respirou fundo, demonstrando que sentira a surpresa, mas não gemeu, sabia que eu não queria ouvir som. Afastei suas pernas e envolvi o seu sexo com a minha mão, ele estava úmido e quente, denunciando que ela ficara excitada. Acariciei-o, tateei-o e circulei-o com os dedos, com o anular e o indicador abri os seus lábios e acariciei a entrada molhada com o dedo médio. Ela esboçou um gemido, mas se conteve, preferiu respirar longamente.
Peguei a corda de cânhamo que trouxera, amarrei um dos pulsos e atei ao péda mesa, depois fiz o mesmo com o outro e com os dois pés, deixando-a presa a mesa e disponível para mim, para que não pudesse escapar ou se defender.
Caminhei até a lareira e apanhei uma das velas, fui até os seus pés e sacudindo-a, respinguei a parafina em seu corpo, ela se contorceu sobre a mesa. Repeti novamente, uma, duas vezes. Aproximei-me um pouco e pinguei sobre seu púbis depilado, um pingo, a pausa e depois mais dois. Subi por seu ventre deixando o rastro de pingos de parafina e a cada pingo que caia, uma pausa eu deixava entre eles, até deixar cair o primeiro pingo e vê-lo escorrer pela lateral do seu seio. Pinguei outra vez sobre o seio, ela esboçou um gemido e pinguei novamente, ela se contorceu e então lhe falei:
- Quero ouvir teu prazer!
Ela permaneceu imóvel, não gemeu, apenas suspirou.
Esperei alguns segundo, observando-a e olhando seu peito respirar e finalmente deixei mais um pingo cair e atingir diretamente o mamilo. Ela gemeu alto e contorceu-se totalmente sobre a mesa. Sua respiração ficou ofegante, parecia queria estancar a ardência e deixei-a acalmar-se. Vendo-a voltar à normalidade, pinguei novamente, mas sobre o outro mamilo, dessa vez arrancando um gemido bem alto, quase um grito, mais de prazer do que dor.
As velas usadas são feitas para esse tipo de fantasia e há uma técnica a se utilizar, temperatura e distância a se obedecer, de modo que, os pingos podem arder, mas não podem queimar ou deixar bolhas na pele. Isso garante a segurança na fantasia.
Sentei-me novamente ao seu lado e acariciei o seu rosto, deixei-a tranquilizar-se e logo após, peguei ao lado da bolsa a loção e a flanela macia. Borrifei a loção espalhei em seu corpo, fui ao banheiro e molhei a flanela, com ela livrei-a dos pingos solidificados de parafina, acalmando a sua pele e deixando seu corpo sedoso.
Desvendei-lhe os olhos, soltei-a das amarras e sentei-me novamente ao seu lado. Olhando em seus olhos sorri para ela e com seu sorriso fui correspondida. Segurando a sua nuca, trouxe-a para perto, abracei-a e a beijei. Depois fomos para o imenso sofá, estávamos totalmente excitadas e precisávamos uma da outra.

EM BREVE capítulo 3

----------------------------------------
© COPYRIGHT BY LENA LOPEZ
Todos os Direitos Reservados
All Rights Reserved
DIREITOS AUTORAIS PROTEGIDOS
Cópia e publicação permitidas, desde que acompanhada dos créditos à autora e link para para este blog, conforme termo exibido abaixo do cabeçalho desta página.


4 comentários:

  1. Que delicia!Acompanhando tudinho rrsrs

    ResponderExcluir

  2. ------------------------------------------------------------------
    SOMENTE PARA OS TEUS OLHOS
    Às margens dos teus lábios
    Provei a água da vida.
    Saciado, naveguei entre miragens
    Em busca da maior de todas as realidades
    ...Você!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Virei fã, estou louca, viajando com estes textos.

      Excluir

As moradoras da Casa de Anita, deliram de prazer com o seu comentário...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...